Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Daily Fábio

Fotografias do (meu) Alentejo...

Fábio Belo, 19.08.19

Gosto de fotografar. Captar emoções. Fotografar rostos. Captar pormenores. Fotografar paisagens. Captar culturas.Hoje, 19 de agosto, dia mundial da fotografia partilho consigo fotografias que tirei no (meu) Alentejo. Qual a sua fotografia preferida?

“Uma boa foto é aquela que abre sua imaginação, que traz emoção.”

I Festival de Folclore - Alpalhão

Fábio Belo, 15.08.19

Alpalhão, concelho de Nisa, recebeu na noite de 14 de agosto o I Festival de Folclore. Este festival organizado pela Associação de Jovens de Alpalhão recebeu vários grupos de folclore do distrito de Portalegre, que deram a conhecer as suas tradições cantadas e bailadas às gentes de Alpalhão. Foi uma noite de festa e convívio.

DSC_1274.JPG

DSC_1277.JPG

DSC_1290.JPG

 

Alpalhão: Corrida dos Cântaros, mais do que uma tradição

Fábio Belo, 05.08.19

A Corrida dos Cântaros não é uma modalidade desportiva, é uma tradição com muitos anos de existência que ainda se mantem viva e enraizada nas gentes de Alpalhão. Esta corrida decorre todos os anos na segunda-feira, último dia, das Festas de Verão de Alpalhão. A prova consiste em fazer-se um pequeno percurso de gincana com o cântaro à cabeça. Quem fizer a prova em menos tempo e sem pegar no cântaro com as mãos vence a mítica corrida dos cântaros. Esta corrida praticada essencialmente por mulheres junta várias faixas etárias. Não há ninguém na vila de Alpalhão que não conheça a Corrida dos Cântaros que é conhecida por muita competitividade e diversão.async src="https://pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js">

Alpalhão Terra de Valor

Fábio Belo, 19.07.19

Chegou o dia de vos dar a conhecer a minha vila. Os meus costumes. As minhas tradições. Os meus monumentos. A minha gastronomia. A minha cultura. As minhas origens.

Alpalhão é uma vila velhinha situada em pleno Alto Alentejo, no distrito de Portalegre. Vila velhinha com uma rica história que quer ser conhecida por todos...

Os nossos bordados e trajes típicos são únicos. O nosso traje é composto por xaile, avental e algibeira bordados a matiz e saia em feltro com aplicação em feltro. As nossas esculturas de granito são únicas. Esculturas esculpidas pelo homem. Esculturas esculpidas pela mãe natureza. (Seremos a capital do granito?) Os nossos monumentos são únicos.

Somos ricos em gastronomia. As mijoninhas, os bolos de festa (bolos fintos), as boleimas de açúcar e canela, o arroz de cachola (arroz feito com sangue de porco) fazem as delicias de quem por cá passa e por quem por cá permanece. Somos uma terra de enchidos. De enchidos de fabrico tradicional e local.async src="https://pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js">

Os nossos museus são um álbum de memórias. São um reviver do passado das nossas gentes. A Casa Museu é uma casa típica alpalhoeira que nos remete para o antigamente  e que guarda os ofícios que tão caraterizam a nossa terra. A Casa do Brinquedo guarda as memorias da infância livre. Da infância vivida com pouco. Da infância saudável. O Museu da Misericórdia guarda a nossa herança de arte sacra.